O consumo pós-pandemia: novas tendências de mercado

15/02/2021 16:04

A pandemia que estamos vivendo é um período histórico e que infelizmente ainda perdura por muitas partes do mundo. Além de afetar áreas óbvias como a saúde e a economia, essa crise veio também para nos forçar a sair da caixa, criar novas estratégias e quem sabe até mudar de hábitos.

Nos setores de vestuário e calçados, por exemplo, vários lojistas relataram queda de até 28% nas vendas, os setores mais afetados entre os varejistas. E mesmo com a antecipação da reabertura do comércio em muitos estados, não foi possível uma recuperação. 

O fato é que nós, enquanto consumidores, não sairemos os mesmos dessa pandemia. Algumas mudanças de comportamento devem se perpetuar, como o fortalecimento das compras online. Muitas pessoas tiveram a oportunidade de ver que comprar pela internet não é nenhum bicho de sete cabeças. 

Segundo dados do índice desenvolvido pelo Comitê de Métricas da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), em parceria com o Movimento Compre & Confie, as vendas online em junho de 2020 dobraram em comparação com o mesmo período no ano de 2019. No total, a alta foi de 110,52%.

O mesmo índice aponta ainda que no trimestre de abril a junho, dos brasileiros usuários de internet, pelo menos 18% fizeram uma compra online. Mais de 5% de crescimento em relação ao trimestre anterior, de janeiro a março.

Outro dado interessante é que em agosto do ano passado, o crescimento de E-commerce cresceu cerca de 47%, sua maior marca em 20 anos. Esse crescimento não pode ser ignorado ou tratado como uma onda. Não é apenas uma medida provisória.

Fazendo um recorte mais local, no Nordeste, as vendas online aumentaram mais de 150% em junho de 2020 se comparado ao mesmo período de 2019. Com todos esses dados e números apontados, o que podemos esperar dos novos padrões de consumo? Destaque maior às empresas já atuantes no setor de e-commerce?

2 tendências de consumo pós-pandemia

Como identificar uma tendência? Com dados! E podemos observar estudos mercadológicos feitos na China, primeiro país a sair da situação de pandemia, que identificaram novos comportamentos do consumidor. Provavelmente essas tendências serão replicadas em países como o Brasil. Separamos 2 delas para falarmos aqui:

Consumo veloz e a curto prazo

As pessoas passaram a voltar a consumir seus desejos pessoais como forma de compensação por terem passado tanto tempo isolados ou trancados em casa. As pesquisas apontam que na China, 60% das pessoas saíram para comer com amigos, 55% foram ao salão de beleza e outros 52% compraram coisas para exercícios físicos.

Comércio local fortificado

Um termo pode definir em parte essa tendência: solidariedade econômica. As pessoas

passaram a ter mais empatia pelos comércios próximos de suas casas. Mas não é somente isso, o fato de ter algo mais próximo é também um fator, pois imagina-se que haverá menos aglomeração de pessoas. É uma tentativa de se preservar.

Gostou do nosso material? Compartilhe em suas redes sociais e mande para os amigos.Fique ligado, toda semana um artigo novo por aqui.